Não gosto de café morno, de conversa mole, nem de noite sem estrela. Sou bem mais feliz que triste, mas às vezes fico distante. E me perco em mim como se não houvesse começo nem fim nessa coisa de pensar e achar explicação pra vida. Explicação mesmo, eu sei: não há. E me agarro no meu sentir porque, no fundo, só meu coração sabe. E esse mesmo coração que me guia e não quer grades nem cobranças, às vezes me deixa sem rumo, com uma interrogação bem no meio da frase: O que eu quero mesmo?










norhuu:

My friend Isaac has the most gorgeous hands I have ever seen, and I am completely enamored of them. The day I met him he promised to let me draw them, and I finally got to last weekend. 




euo:

“I have all these things that I want to say to her. Like how I can tell she’s a lonely person, even if other people can’t. Cause I know what it feels like to be lost and lonely and invisible.”
The Double (2013) dir. Richard Ayoade


dianostalgico:

vintage photographs




so-personal:

everything personal